iBOM | Produzir orgânicos exige conhecimento e muita capacitação



140x140
Bom Despacho (MG), 11 de dezembro de 2017

Produzir orgânicos exige conhecimento e muita capacitação

Imagem ilustrativa
Publicado em 01/12/2017 08:31:17

ÍTALO COUTINHO - A Feira do Produtor na Praça da Estação comemorou 6 anos. Além de trazer alimentos direto do campo, é oportunidade para artesãos e os amigos se encontrarem aos sábados. O seu movimento gera outras atividades indiretas remuneradas, como cantores, organização, limpeza e divulgação. A cidade já reconhece a Feirinha como ponto de encontro.

O consumo de produtos orgânicos tem crescido no mundo inteiro. É uma preocupação com a saúde e o bem-estar em geral. Alguns cuidados precisam ser tomados. Ser produzido no campo e por pequenos produtores não quer dizer que seja orgânico. O manejo de plantações e criações precisa respeitar rigorosos critérios para obter esta classificação.

O que temos visto é uma oportunidade para enfrentar as dificuldades de famílias que vivem dessa renda. O pequeno produtor precisa encarar seu trabalho no sítio ou na fazenda como um negócio. Aprender a produzir com mais segurança alimentar e maior produtividade, ao mesmo tempo sem usar insumos nocivos à sua saúde dos consumidores.

Quando o gigante americano do mercado virtual Amazon comprou a maior rede de varejo de produtos orgânicos e naturais, a Whole Foods Market, o que temos de aprender com isso? É que há muito mercado para explorar.

A principal feira do setor e a única na América Latina, a Bio Brasil Fair │Biofach America Latina, em junho 2017 no Pavilhão da Bienal de SP, reuniu quase 420 expositores, mais de 25.000 visitantes, expositores de outros sete países, com crescimento na ordem de 35% comparando-se com a edição do ano passado.

Orgânico está em alta, mas é preciso investir em conhecimento e capacitação.

Ítalo Coutinho, engenheiro, MSc, PMP



Rua do Rosário, 72 – Centro – Fone (37) 3522.2361 – Bom Despacho - MG
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Jornal de Negócios.